XUTOS PARA SEMPRE
Quarta-feira, 20 de Janeiro de 2010
DÁ QUE PENSAR, RESPEITEM OS OUTROS ,PIOR CRISE MUNDIAL, DEPOIS DOS DINOSAUROS

UICN: a crise da Biodiversidade é ainda pior do que se pensava

Filipa Alves (03-07-09)
Imprimir Partilhar Texto A A A

De acordo com um relatório da IUCN as metas de redução da perda de Biodiversidade em 2010 não serão cumpridas e a crise da biodiversidade é tão ou mais grave do que se pensava, pondo em risco também as populações humanas.

O relatório é publicado a cada 4 anos e faz uma avaliação da situação das espécies que integram a Lista Vermelha. Numa altura em que  está prestes a expirar o prazo para a concretização do objectivo de redução da biodiversidade previsto para 2010 o relatório deste ano - “Vida Selvagem num Mundo em Mudança” - não traz boas notícias, indicando que a meta não vai ser atingida.
De acordo com os resultados, das 44 838 espécies analisadas há 869 Extintas ou Extintas na Natureza, que ascendem a 1159 se considerarmos também as 290 espécies Criticamente em Perigo classificadas como Possivelmente Extintas. Globalmente são 16 928 as espécies ameaçadas mas tendo em conta que apenas 2,7% das espécies do mundo foram analisadas o número está muito subestimado.

Nos sistemas de água doce cerca de 78% dos peixes estão ameaçados na Europa e 28% na África Oriental. A grande conectividade dos sistemas aquáticos de água doce permite à poluição e às espécies invasoras expandir-se rapidamente e o desenvolvimento dos recursos aquáticos constitui também uma ameaça.

Nos oceanos o cenário é igualmente “negro”. Com efeito, o relatório revela que uma grande proporção das espécies marinhas enfrenta potenciais perdas irreversíveis devido à sobrepesca, às Alterações Climáticas e à poluição. Os casos mais preocupantes incluem o grupo das raias e tubarões, as tartarugas marinhas e os corais que constituem os recifes, sendo que 27% das espécies deste estão ameaçadas, 20% estão quase ameaçadas e não existem dados suficientes para outros 17%. Por outro lado, também as aves marinhas estão muito mais ameaçadas que as terrestres com 27,5% em perigo de extinção em comparação com os 11,8% das espécies terrestres.

Entre os vertebrados terrestres 1/3 dos anfíbios, bem como mais do que 1 em 8 aves e quase 1/4 dos mamíferos encontram-se ameaçados. E no caso das plantas a situação é ainda mais grave com 28% das coníferas e 52% das cicas com estatuto de ameaça. Entre as causas que estão por detrás destes tristes números estão a destruição de habitat através da agricultura, indústria madeireira e o desenvolvimento. Por outro lado, a situação dos anfíbios é agravada pela doença fúngica quitridiomicose enquanto que para as aves as espécies exóticas invasoras e a caça são os maiores problemas.Por fim, para os mamíferos a caça furtiva é a maior ameaça a seguir à perda de habitat. Embora as Alterações Climáticas não sejam a maior ameaça à vida selvagem, isto deve em breve mudar. Com efeito, segundo o relatório, uma parte significativa de aves, anfíbios e corais que não estão ameaçados são sensíveis às Alterações Climáticas.

Por outro lado, numa outra análise, os índices calculados no relatório permitem avaliar as tendências populacionais de certos grupos de espécies e os resultados apontam para uma deterioração da situação das aves, mamíferos, anfíbios e corais. Por outro lado também as espécies de mamíferos e aves usados como alimento ou pelas suas propriedades medicinais estão cada vez mais ameaçadas, prevendo-se que a diminuição da sua disponibilidade afecte o bem-estar das pessoas que delas dependem directamente.

Segundo Craig Hilton Taylor, gestor do grupo de trabalho da Lista Vermelha “O relatório é deprimente. Diz-nos que a crise da extinção é tão ou mais grave do que acreditávamos. Mas também nos revela quais as tendências [populacionais] das várias espécies e por isso será uma componente essencial nos processos de decisão. Na contagem decrescente até 2010 a comunidade internacional deveria utilizar este relatório sabiamente para lidar com a situação.”

Em comentário à TSF Carlos Teixeira, vice-presidente da LPN, comentou a situação da biodiversidade no nosso país que possui 160 espécies ameaçadas de acordo com a Lista Vermelha da UICN. O dirigente referiu os casos mais emblemáticos de espécies em perigo bem como outros não tão conhecidos. “Temos a espécie de felino mais ameaça do mundo, o lince ibérico, também o lobo ibérico, estamos também a falar de muitas espécies de morcegos, absolutamente essenciais para a regulação das nossas populações de insectos, e também o caso de diversas aves rapinas», afirmou.

Para Carlos Teixeira o ritmo de extinções a que assistimos actualmente é o equivalente ao de catástrofes naturais. «As taxas actuais de extinção de espécies são muito superiores  às que se verificaram em fases anteriores da história do Homem e conseguem competir com a extinção que encontraríamos associadas a uma grande catástrofe mundial, como aconteceram na história da Terra há alguns milhões de anos atrás», afirmou.

Fonte: IUCN e TSF

 

 

 

 

Vacina para a Gripe A produzida à custa de tubarões ameaçados

Naturlink (20-01-10)
Imprimir Partilhar Texto A A A

A vacina contra a gripe A é produzida com óleo de fígado de tubarão. Milhões de doses de vacina vão ser produzidas com milhares de quilos de óleo de fígado de tubarões ameaçados e com taxas de reprodução muito baixas.

As vacinas produzidas para proteger as pessoas da gripe A não são muito benéficas para espécies ameaçadas de tubarões. As milhões de doses da vacina H1N1/09 são produzidas com base no esqualeno, a substância oleosa extraida dos fígados dos tubarões.

O Infarmed e a Organização Mundial de Saúde explicaram na altura da aprovação da vacina na Europa que “a presença de esqualeno nas vacinas para a gripe pandémica permite o uso de menor quantidade de material viral sem aumentar o risco, mantendo a eficácia daquela vacina”. Esta substância aumenta a capacidade de resposta imunológica do nosso organismo.

A substancia é já utilizada vulgarmente em produtos cosméticos, como cremes para a pele, normalmente sem que o consumidor seja informado disso. É de notar que outras substâncias como o azeite, óleo de gérmen de trigo ou óleo do farelo do arroz contêm também o esqualeno, mas em menores quantidades. Maioritariamente o esqualeno é extraído de tubarões apanhados por pescadores e em particular de espécies de profundidade.

Os tubarões de profundidade são particularmente sensíveis a esta exploração por terem taxas de reprodução muito baixas e porque muitas espécies são espécies ameaçadas. O tubarão barroso (Centrophorus granulosus), é um dos principais alvos por ter uma elevada produção de esqualeno, apesar de estar classificada como vulnerável pelo UICN.

 

Fonte: National Geographic

 

 


tags:

publicado por LSP às 10:31
link do post | comentar | favorito
|

joguem se conseguirem...

Clique para Jogar!
pesquisar
 
links
posts recentes

ESPETACULO...A HISTORIA D...

hoteis de gelo

, vida de pai,

ILHA FEITA DE TARTARUGAS....

ESTAMOS TRAMADOS , SISMO ...

DIA DOS NAMORADOS 2010, P...

COMO COMPRAR COISAS PENHO...

A MINHA......

DÁ QUE PENSAR, RESPEITEM ...

imagens engraçadas, insol...

arquivos

Fevereiro 2014

Novembro 2010

Setembro 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Junho 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

tags

todas as tags

CONTADOR
Contador de visita
Contador de visita
mais sobre mim
Fevereiro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28


subscrever feeds